“Rastro De Sangue: Jack, O Estripador” é minha maior decepção do ano

Siga e Compartilhe:

Sempre quis ter um livro da Darkside, pois acho o acabamento lindo e atmosfera sombria me atraía. Em uma promoção recente da Amazon, comprei logo três. Um deles foi “Rastros de Sangue: Jack, O Estripador”, de Kerri Maniscalco.

O livro, realmente, é lindo. A capa é atrativa, dura, o acabamento é incrível e as ilustrações também são perfeitamente bem feitas. Mas para por aí. A história não apenas deixa a desejar, como é extremamente previsível.

Como se não bastasse conseguir descobrir quem incorporava Jack, o Estripador nessa versão, também consegui chegar até o motivo pelo qual os crimes estavam sendo cometidos. Além disso, a história é esticada além do necessário, com bastante enrolação.

Li achando que veria uma história de mistério, suspense. Encontrei uma história que tem sim pontos positivos – como o fato da protagonista ser uma mulher forte lutando contra as amarras da chata Inglaterra do século XIX -, mas extremamente previsível e cansativa.

Em diferentes momentos eu pensei em parar, mas queria ter certeza da minha única suspeita – que eu já tinha tido por volta da página 50, até mesmo antes disso. Para a minha não-surpresa, eu estava certo, o que foi extremamente decepcionante.

A autora faz um esforço para ir soltando pequenas pistas, mas não deixar o personagem que é o assassino exposto. Mas ela faz isso tão descaradamente, que fica extremamente na cara.

“Rastros de Sangue: Jack, O Estripador” é um livro desnecessário, que não vale o investimento. É lindo, mas livros não são apenas enfeites para ficar na estante.

Autor do Post:

Henrique Schmidt

O louco dos livros, filmes, séries e animes. Talvez geek, talvez nerd, talvez preguiçoso, mas com certeza jornalista

READ  CRÍTICA | “Rua do Medo: 1978 – Parte 2”, a continuação maravilhosa da trilogia
Rate article