“O que Aconteceu com Annie”, culpas e arrependimentos

Siga e Compartilhe:

Após ler e fazer a resenha de “O Homem de Giz” – que já está disponível aqui na Tribernna -, me propus a analisar mais um livro da C.J. Tudor, desta vez “O que Aconteceu com Annie”, que é ainda melhor do que seu predecessor.

As histórias não têm ligações, mas nesta obra são feitas algumas referências, o que podemos chamar de “piadas internas”, que você só vai entender se tiver lido “O Homem de Giz”. Modifica algo na história? Não. Mas é bacana poder notar essa conexão.

Com “O que Aconteceu com Annie”, C.J. Tudor fortalece a sua forma de escrita, dando destaque, mais uma vez, a um protagonista falho. Inclusive, é até engraçado fazer uma conexão entre os personagens principais dos dois livros: homens brancos britânicos com cerca de 40 anos, um passado sombrio e com segredos, que gostam muito de uma bebida alcoólica e são professores. Ambos também tiveram traumas em seu passado, carregando culpas e arrependimentos. Fantasmas, no sentido figurado da palavra, que continuam assombrando-os.

No entanto, ao contrário do livro anterior, a nova obra de Tudor tem um cenário mais sombrio, mais indesejado. Acredito que eu possa admitir que é a primeira história que eu leio que realmente me deixou um pouco arrepiado em alguns momentos. A temática sobrenatural compõe boa parte da história.

Preciso destacar, porém, que quem gosta de histórias fechadas, concluídas, não vai curtir muito “O que Aconteceu com Annie”. O mistério é demonstrado, toda a situação é explicada. Todavia, a aura sobrenatural continua pairando sem uma explicação conclusiva. Mito ou verdade? Vai da sua imaginação e sua forma de interpretar a história. É algo que não me incomodou, mas pode vir a atrapalhar a experiência de alguém.

READ  FILMES | Mortal Kombat divulga pôsteres animados de seus personagens principais

Para mim, “O que Aconteceu com Annie” é um livro que vale muito a pena ser livro. Com essa nova obra, C.J. Tudor segue se firmando como uma das autoras de suspense/terror mais proeminentes da atualidade. Escrita fácil, história que prende do início ao fim e com bons mistérios, que vão sendo revelados aos poucos, sem pressa, mas sem enrolação.

Autor do Post:

Henrique Schmidt

O louco dos livros, filmes, séries e animes. Talvez geek, talvez nerd, talvez preguiçoso, mas com certeza jornalista

Rate article