ESPECIAL LOKI | Entenda a cena pós crédito do episódio 4

Siga e Compartilhe:

Após um terceiro episódio bem morno, Loki retornou explodindo mentes… e não digo só dos funcionários da AVT, mas as nossas também! 

Caso você queira saber o que achamos desse episódio, leia nosso texto aqui. Porque essa matéria na verdade está reservada para tentar explicar o que aconteceu após o “sumiço” de Loki

É claro, não preciso dizer que esta matéria está repleta de spoilers. Leia por sua conta e risco.

Após um intenso confronto com agentes, a diretora e os três supostos guardiões do tempo, Loki é “podado’ e simplesmente desaparece diante dos nossos olhos. Isso foi definitivamente um choque para os fãs, porém a cena pós crédito foi um alívio, até mesmo para o Morbius (Owen Wilson) que também foi “podado” na metade do episódio, já que Loki aparece vivo em uma outra realidade (aparentemente). Logo descobrimos que este ataque da AVT na verdade não é uma sentença de morte e talvez apenas um possível banimento.

Acontece que quando Loki chega e pergunta se ele morreu e se aquele local e o inferno, ele vê 4 versões de Loki (incluindo um jacaré) – foto acima. Richard E. Grant que responde e orienta o recém chegado Loki, “Ainda não, mas vai morrer se não vier conosco“.

Ok. Mas, o importante: quem são esses personagens?

Loki Clássico

Interpretado pelo ator Richard E. Grant, temos o Loki clássico, a versão original das HQs da Marvel, com direito a uniforme colorido e uma versão mais velha.

READ  SÉRIES | Produção de live-action de Yuyu Hakusho está cada vez mais perto

Da mesma forma que Wandavision brincou e fez uma homenagem aos uniformes coloridos e chamativos dos heróis, em Loki podemos ver a sua versão um tanto carnavalesca e nada sutil, com seus imensos chifres e roupas chamativas que usou por muitos anos, desde sua primeira aparição na revista Journey into Mystery #85, de 1962. 

No entanto, também vale mencionar que há uma versão do Velho Loki em Agente de Asgard, de 2019, onde ele é o grande antagonista da história.

Kid Loki

Essa é uma versão renascida do Loki que, durante a saga O Cerco, é morto por uma entidade, mas acaba conseguindo renascer como um adolescente sem memórias de que já foi um deus um dia.

Na história de Matt Fraction e Pasqual Ferry, este Loki é realmente bom, e por um tempo atua como herói, já que não lembra das suas artimanhas vilanesca do passado. Porém, o povo argadiano faz questão de lembrá-lo de quem ele é, logo o personagem se aventura em uma jornada de redenção tentando ser uma melhor versão do que a do seu passado.

O personagem já interagiu bastante com os Jovens Vingadores nas HQs. Essa seria uma ótima oportunidade para o MCU inserir o personagem, já que Tommy, Billy,  Kate Bishop e Cassie Lang já começaram a ser inseridos na fase 4 da Marvel.  

Loki com Mjölnir

Interpretado pelo ator  ator Deobia Oparei e creditado como Boastful Loki (“Loki Orgulhoso”, em tradução livre), não há um personagem ou arco em específico para realizar um comparativo do personagem da série com o das HQs. Já que Loki já foi digno de levantar o martelo de Thor mais de uma vez, como no crossover Eixo.

READ  FILMES | Enola Holmes ganha trailer completo

Acredita-se que esta variante seja a única que se distancie um pouco mais das referências e homenagens das HQs, trazendo algo mais voltado para a série em si.

LOKI CROCODILO

É de conhecimento geral que o Deus do Trovão pode se transformar basicamente no que ele quiser. Em Mighty Thor, por exemplo, ele se transformou em uma cobra. Já em Agente de Asgard, ele assumiu a forma de uma raposa e até de um unicórnio. Porém não há nenhuma menção a uma forma de crocodilo ou jacaré.

Talvez a aparição desta variante seja apenas para sinalizar a habilidade de metamorfose do personagem, ou quem sabe uma piada com os Pet Avengers, a versão animalesca dos vingadores.

Loki tem novos episódios toda quarta-feira no Disney+, e toda sexta-feira uma matéria especial aqui na Tribernna.

Autor do Post:

Ludmilla Maia

administrator

25 anos. Criadora e uma das fundadoras da Tribernna, escrevo pra internet desde 2016. Amo podcast como amo cultura asiática e heróis. Nas horas vagas, concurseira e bacharel em direito.

Um dia eu te conto o que significa o nome “Tribernna”.

    Continue Reading

    Previous: CRÍTICA | “Rua do Medo: 1994 – Parte 1” cumpre o que promete
    Rate article