RESENHA | “Clube do Livro dos Homens” uma leitura divertida, instigante e surpreendentemente reflexiva

Siga e Compartilhe:

Eleito o melhor romance de 2019 pela Amazon, “Clube do Livro dos Homens“, escrito por Lyssa Kay Adams, traz a redenção de Gavin, um jogador de beisebol que está focado em não só recuperar seu casamento, mas como reconquistar sua esposa.

Brincando com algumas referências claras ao clássico do cinema “Clube da Luta“, o livro reúne homens dispostos a rever seus conceitos e visões que têm a respeito de suas respectivas esposas, não só como eles se sentem por elas, mas como elas se sentem a respeito deles e de si mesmo. A narrativa cria uma jornada de auto conhecimento tendo como base os romances da literatura. Sim, o livro tem um livro dentro dele.

Como o título do livro sugere, os jogadores de beisebol se reúnem para aprender e evoluir através de livros, romances de época em sua grande maioria. O protagonista no começo reage da mesma forma que o leitor provavelmente reage ao ler, achando no mínimo bizarro. No entanto, a forma com que Lyssa constrói a história, faz com que a percepção dos livros lidos por Gavin sejam mais amplas e se adequem ao estágio atual de sua vida, servindo até como um tipo de muleta emocional para o protagonista que remói incertezas, inseguranças e o desespero de perder a mulher que ama.

Com uma escrita divertida e fluída, o assunto, que pode ser pesado e massivo de se digerir, acaba sendo leve e gostoso de ler. Gavin entra em uma caminhada de desconstrução e abre espaço ao diálogo e compreensão, coisa que estava em falta no relacionamento. O mais interessante é que a autora se aprofunda cada vez no emocional dos protagonistas apenas demonstrando problemas superficiais dos dois, como “problemas na cama derivam de problemas fora da cama.” O que começou como um caso de ego e falta de orgasmos mostrou ser um grande de daddy issues e problemas de confiança.

READ  SÉRIES | “Falcão e o Soldado Invernal” terá apenas uma temporada

Apesar do livro focar bem em Gavin e na sua caminhada rumo ao seu por do sol particular, junto a sua esposa, a narrativa alimenta nossa curiosidade inserindo personagens carismáticos, hilários e muito intrigantes. Estou falando dos outros membros do clube. A sensação que dá ao acabar a leitura é: Preciso de mais! Preciso agora ler sobre a história de cada membro, principalmente Del e Mark.

Vale mencionar que a autora trabalha muito bem ao escrever as cenas mais quentes da história (sim, é +18 viu!!). Tudo é alimentado de forma gradativa, como se Lyssa usasse todo tempo que tem a seu favor para alimentar a tensão entre os protagonistas para enfim criar o grande clímax, sem ser extravagante, através de sua escrita a autora consegue explorar sensações e sentimentos. Em vez de focar no ato em si, foca em sua importância e o que ele significa para os personagens.

Talvez o maior pecado do livro seja a falta de perspectiva da Thea, a esposa de Gavin, já que seus capítulos se resumem apenas no reflexo às ações de seu marido, com exceção do final onde temos seu grand finale e o estágio final de sua caminhada emocional. Ainda assim, faltou muito de Thea!

“Clube do Livro dos Homens” é um livro realmente delicioso de ler, merece o título ganhado em 2019 por conseguir cativar o leitor através de uma narrativa envolvente, realmente romântica, atual e que faz com que após lermos, além de pedir por mais, pensemos em como a leitura realmente pode influenciar em nossa vida, abrindo novos horizontes e nos dando diferentes perspectivas sobre o mesmo assunto.

Autor do Post:

Ludmilla Maia

administrator

READ  CRÍTICA | “I May Destroy You” vai destruir você e colar seus pedaços

25 anos. Criadora e uma das fundadoras da Tribernna, escrevo pra internet desde 2016. Amo podcast como amo cultura asiática e heróis. Nas horas vagas, concurseira e bacharel em direito.

Um dia eu te conto o que significa o nome “Tribernna”.

    Continue Reading

    Previous: FILMES | “Matrix Resurrections” tem seu primeiro trailer divulgado
    Next: LIVROS | Editora Rocco anuncia nova edição de livro de Margaret Atwood
    Rate article