CRÍTICA | “I May Destroy You” vai destruir você e colar seus pedaços

Siga e Compartilhe:

Alerta de gatilho: a minissérie I May Destroy You trata de assuntos sensíveis como uso de drogas e abuso sexual, e não é indicada para pessoas sensíveis. Caso precise de ajuda, procure um profissional de saúde mental ou o CVV – Centro de Valorização da Vida ligando para o número 188.

 

I May Destroy You é uma série britânica de drama e comédia (dramédia) escrita, produzida e protagonizada pela atriz britânica Michaela Coel, que também dirigiu a maioria dos episódios junto do diretor Sam Miller. A série estreou na HBO nos EUA e na BBC na Inglaterra em junho de 2020 e conta com 12 episódios de mais ou menos 30 minutos.

Na história, acompanhamos a  Arabella Essiedu (Michaela Coel), uma escritora que ficou famosa no com seus relatos diários da vida de uma millennial. Depois do sucesso do primeiro livro, agora ela fechou contrato com uma editora para um novo livro e durante os episódios vemos como a Arabella lida com com a pressão e os prazos para essa nova publicação e com os acontecimentos na sua vida pessoal. 

Terry (Weruche Opia) e Arabella (Michaela Coel). Foto Reprodução:I May Destroy You,HBO, 2020.

O plot é que apesar de aparentar sempre alto astral, numa das suas saídas com os amigos em um bar, Arabella é dopada e estuprada por um estranho e só se dá conta no dia seguinte. Então a partir daí temos toda a trajetória de uma vítima de abuso sexual para lidar com isso: ir à polícia, fazer exames de corpo de delito, terapia… Esperar pelo dia em que as investigações serão concluídas e que o abusador seja preso e responsabilizado. É uma verdadeira agonia. 

READ  ENTREVISTA | Simpático, Igor Sotero explica inspirações para “Um Natal Cadavérico” e traça planos para 2022

Só que Arabella tenta lidar com isso de uma forma não tão saudável assim (tem maneira correta de lidar? acho que não), sendo ela mesma, otimista, usando das redes sociais, tentando levar sua vida normalmente com os amigos, até tem um encontro com um consultor de escrita criativa (mais um otário) indicado pela editora para que ela consiga escrever o livro. 

Arabella (Michaela Coel) na terapia em grupo. Foto Reprodução:I May Destroy You,HBO, 2020.

Michaela Coel sofreu um abuso sexual quando ela escreveu e protagonizou a sitcom Chewing Gum (2015-2017) e transformou essa violência numa série magnífica. Talvez seja a forma como ela aborda o tema, pela fotografia impecável ou o elenco (composto em sua maioria por pessoas negras) todo talentosíssimo. Ela conseguiu ser impactante, dar voz à pessoas que sofreram abusos, sem usar do tropo narrativo do rape and revenge, que é extremamente gráfico, muito usado em filmes de terror e em algumas séries consideradas aclamadíssimas, como Outlander (2014-presente). 

Os personagens secundários e melhores amigos da Arabella, Terry Pratchard (Weruche Opia) e Kwame (Paapa Essiedu) também possuem suas histórias. Terry é uma atriz em ascensão, que tenta tudo que é papel, inclusive em comerciais e em uma das audições, umas mulheres brancas perguntam se o cabelo dela é de verdade. Kwame é um homem gay que se sente incapaz de ter um relacionamento sério, usando e abusando de encontros de uma só noite, até que um dia ele também sobre um abuso sexual e vemos como o tratamento dado a homens vítimas de violência sexual é muito diferente do dado à mulheres. 

Terry (Weruche Opia), Arabella (Michaela Coel) e Kwame (Paapa Essiedu) na delegacia. Foto Reprodução:I May Destroy You,HBO, 2020.

READ  SÉRIES | Zack Snyder gravou cena do Flash através de vídeo conferência

A série é muito gostosa de assistir, mas para quem tem um histórico de gatilho com o assunto, os episódios que têm mais ou menos meia hora, às vezes parecem que são longos demais e que aquela sensação de agonia nunca vai passar. Mas passa, há uma luz e o desfecho, apesar de não ser o que todos queremos, é bom, com pontas soltas e pontas amarradinhas, deixando um gostinho de quero mais. É um bom final para uma minissérie tão importante como essa. 

I May Destroy You recebey 9 indicações ao Emmy 2021, depois de ter sido totalmente ignorada no Globo de Ouro (kkkkk e a novidade?). As categorias são: Melhor Série Limitada ou de Antologia, Melhor Atriz em Série Limitada para a Michaela Coel, Melhor Ator Coadjuvante em Série Limitada para o Paapa Essiedu, Melhor Direção em Série Limitada para a Michaela Coel e Sam Miller, Melhor Roteiro em Série Limitada para Michaela Coel, e mais 4 categorias técnicas.

Confira a lista completa dos indicados ao Emmy clicando aqui.

Você pode encontrar a temporada completa de I May Destroy You no catálogo do HBO Max.

NOTA: 4,6/5

ATENÇÃO

Caso você tenha sofrido algum tipo de violência, DENUNCIE! Procure a polícia, uma delegacia especializada, busque ajuda profissional para lidar com o depois, mas não deixe de denunciar.

Ninguém tem o direito sobre o seu corpo além de você mesmo.

Não seja silenciado, você tem uma voz e merece ser ouvido e acolhido. 

Autor do Post:

Jessica Rodrigues

administrator

Darkzera do cerrado tocantinense, engenheira florestal, ilustradora botânica e médica de plantinhas; apaixonada por terror e romances boiolinhas, às vezes podcaster e, definitivamente, louca das plantas e dos gatos.

READ  “O Último Voo das Borboletas” e a última lágrima a cair

    Continue Reading

    Previous: FILMES | Olivia Wilde divulga data e primeiro teaser de “Don’t Worry Darling”, com Florence Pugh, Harry Styles e Chris Pine
    Next: CCXP21 | Confira novidades sobre o evento desse ano e da CCXP22
    Rate article