RESENHA | “A Chave dos Desejos” profundos, bonitos e sombrios

Siga e Compartilhe:

Mais uma vez, mergulhei na literatura nacional independente e encontrei mais um diamante – o que, na realidade, não me surpreende, pois acredito que há muita coisa boa por aí. O livro da vez foi o terror fantástico “A Chave dos Desejos”, escrito por Thays Deratani e Nicholas Jade.

A história já começa a nos envolver no início, apresentando Iolanda, a protagonista: uma jovem de cerca de 13 anos, acima do peso e que chega em uma nova cidade, perdendo os poucos amigos que tinha. Esse é o pontapé inicial para todos os acontecimentos no decorrer da trama.

Sofrendo bullying na escola, Iolanda conhece dois jovens fora dela. Primeiramente, Knox, que a apresentou aos primeiros lugares da cidade que eram diferentes da sua casa, igreja e escola. Em seguida, conheceu Franz, um jovem cigano – sim, isso é uma informação importante.

Digo que é importante porque, apesar de Iolanda ser uma doce jovem, a mãe da protagonista é INSUPORTÁVEL e retrógrada (um pleonasmo, talvez). A mãe de Iolanda proíbe que sua filha se aproxime dos ciganos por puro preconceito, além de sempre pressionar esteticamente a jovem e quase mantê-la como prisioneira dentro de casa.

Mesmo assim, Iolanda consegue refúgio nos encontros secretos com Knox e Franz, separadamente. Isso porque, os amigos da protagonista não gostam muito um do outro. Mas é da amizade com Knox que surge outro personagem principal para a trama: A Chave dos Desejos, que permite que o seu portador realize desejos ao colocá-la em uma fechadura qualquer.

Solitária, Iolanda só deseja ter novos amigos. É com isso em mente que ela utiliza a Chave dos Desejos e conhece outras crianças, um pouco mais jovens do que ela, para brincar dia após dia. No entanto, nem tudo o que parece, é verdade.

READ  CRÍTICA | O final de Cavaleiro da Lua: corrido e cheio de ponta solta, como a Marvel gosta

Mantenham isso em mente e, mesmo assim, “A Chave dos Desejos” vai surpreendê-los página após página. Admito que, apesar das dores, eu não consegui me conectar verdadeiramente com a protagonista Iolanda, mas isso não atrapalhou as surpresas e acontecimentos que estavam por vir. Até porque Franz e Knox antagonizaram bem um ao outro, mesmo que, em grande parte, indiretamente.

O livro é uma obra de terror fantástico nacional que vale à pena ser lida. Está disponível, em formado de ebook, na Amazon. Abaixo, um trecho que chamou a minha atenção (sempre que possível, encerrarei as resenhas com um trecho do livro).

“A felicidade não é algo permanente, Io. São apenas momentos, alguns mais longos e outros que duram apenas frações de segundos. E você terá muitos deles ainda.”

Autor do Post:

Henrique Schmidt

administrator

O louco dos livros, filmes, séries e animes. Talvez geek, talvez nerd, talvez preguiçoso, mas com certeza jornalista

    Continue Reading

    Previous: RESENHA | “Aladim” é interessante por apresentar outra perspectiva
    Rate article