TRI CULT | “Um Clarão nas Trevas” e a aula sobre como criar tensão em um único ambiente

Siga e Compartilhe:

Adaptado da peça teatral “Wait Before Dark“, escrita por Frederick Knott, o filme “Um Clarão nas Trevas” carrega uma tensão incrível com sua ambientação em praticamente um único local. Estrelado por Audrey Hepburn, a trama gira em torno de sua personagem Susy, que acaba envolvida em uma situação perigosa, quando seu marido acidentalmente traz uma boneca que contém heroína e pertence à um grupo de criminosos.

Em um suspense no estilo de invasão de domicílio, o filme é maravilhosamente bem dirigido por Terence Young. Conhecido por seu trabalho também no início da franquia de James Bond (007 contra o Satânico Dr. No de 1963 e 007 contra a Chantagem Atômica de 1965). Sua direção é tão eficiente que nos transmite a sensação de claustrofobia, que o filme necessita para formar uma tensão apreensiva da situação.

Outro fator que eleva o filme são as atuações, no qual Audrey interpreta uma mulher cega (rendendo inclusive sua quinta indicação ao Oscar), sendo muito convincente e a ajudando no processo do drama que o longa traz. Alan Arkin (“Pequena Miss Sunshine” e “Argo“), como um dos vilões, fornece uma presença de ameaça que é extremamente poderosa, e contribui para o desenvolvimento da tensão.

E nessa trama Hitchcockiana (quando o personagem se encontra em uma situação de risco de vida), a direção é sábia ao conduzir os melhores momentos em tela no seu final, que deixam o espectador arrepiado com tamanho controle do espaço, caracterizando-o como um ambiente perigoso através do jogo de iluminação.

E através de uma abordagem mais psicológica do suspense, “Um Clarão nas Trevas” se beneficia da construção progressiva do perigo iminente. Sendo um filme que trabalha muito a questão da emoção de cada personagem, e das situações caóticas em cena, que contribuem para um espetáculo inquieto e curioso, que com certeza vale muito a pena ser visto pelo menos uma vez na vida.

READ  SÉRIES | Snyder Cut será dividido em seis capítulos e epilogo

Nota: 4,5/5

Avalie a produção!

Autor do Post:

Bruna Berlitz

administrator

Crítica de cinema e graduada em Produção Multimídia. Experiência na área do audiovisual, com ênfase em filmagens e edição de vídeos. Essencialmente da casa Lufa-Lufa, apaixonada por gatos e admiradora das obras de Jane Austen.

    Continue Reading

    Previous: CRÍTICA | Apesar do final precoce, ‘Superstore’ encerra sua jornada sendo fiel ao que sempre foi
    Rate article